Você está aqui
Home > EUROPA > Europa > Itália > Ancona > Ancona recebe muitos cruzeiros

Ancona recebe muitos cruzeiros

Olhando para o mapa da Itália nota-se que a Bota, inchando ao centro, empurra em direção ao mar um pequeno promontório, e exatamente nesta saliência surge Ancona, palavra grega que significa cotovelo. O cotovelo nasce do monte Conero e se estende no mar com um desfile de penhascos que assumem vários nomes: Trave, Passetto e Gallina. Entre o Passetto e o Porto os penhascos formam três colinas: Cardeto, Cappuccini (já São Cataldo) e Guasco (já Cumerio), e ao sul, coroado pelas muralhas da Cidadela, está a colina Astagno.  Aqui os turistas descobrem alguns dos tesouros que esta cidade tem a oferecer, pois Ancona é uma cidade rica em história e monumentos, parques e áreas semi-urbanas ainda estão bem conservadas.

Catedral de São Ciríaco

ancona02
São Ciríaco foi escolhido como o padroeiro de Ancona e a própria catedral, no século XIV, foi dedicada a ele, mudando até o nome. Essa majestosa igreja, que domina a cidade do alto das colinas do Guasco, é vista por todos os que chegam em Ancona por terra ou por mar, mais um tributo à são Ciríaco, por seu exílio e vida episcopal.

A catedral de Ancona é dedicada a San Ciriaco e é a catedral metropolitana da Arquidiocese de Ancona-Osimo. É uma das igrejas medievais mais interessante d ‘ Itália, em que o estilo românico se funde com o Império Bizantino, evidente na planta e em muitos decorações. Localizada em posição cênica, no topo da colina Guasco.

ancona26
Os devotos de São Ciríaco dizem que suas relíquias chegaram ao porto de Ancona trazidas pelas ondas do mar. Essa tradição é celebrada, no dia 4 de maio, na catedral de Ancona, onde são distribuídos maços de junco benzidos. Na realidade, as relíquias de são Ciríaco retornaram à cidade durante o governo do imperador Teodósio, entre 379 e 395, graças à sua filha, Gala Plácida, que interveio favoravelmente junto às autoridades, conseguindo o que a população de Ancona tanto desejava. A lembrança desse culto antiquíssimo a são Ciríaco pode ser observada pelos monumentos, das mais remotas épocas, que existem, em toda a cidade, com a imagem do santo.

Vanvitelliana Mole

ancona01a
É um tipo de ilha artificial em forma de pentágono, também conhecido por Lazzaretto, que liga-se ao continente apenas por uma pequena ponte chamada “Mandracchio”. A perfeição geométrica é cheia de símbolos. O número 5 mostra o poder do homem para mudar a realidade circundante e o Lazzaretto surge por este motivo.

A área de 20.000 m², originalmente era um espaço multiuso com hospital para proteger a saúde pública hospedando pessoas em quarentena, armazenar mercadorias, defender o porto e proteger a cidade das ondas. Já foi ocupado pelos franceses em 1799 e durante a 1a. Guerra Mundial.

ancona02a

Ao longo do tempo usado como hospital militar, em 1884 se tornou uma refinaria de açúcar. Durante a 2a. Guerra Mundial tornou-se novamente um posto militar e em 1947 tornou-se uma fábrica de tabaco. Em 1997 foi restaurado com sua aparência original que não conseguiu apagar completamente as mudanças mais significativas introduzidas ao longo dos séculos. Agora o monumento é usado para exposições temporárias e outros eventos culturais.

Ancona, cidade portuária da região de Marche, liga a Itália à Grécia e à Croácia. Fundada pelos gregos exilados de Siracusa no século 5 a.C, seu nome vem de Ankon que em grego significa “cotovelo”. Ele faz referência ao pico rochoso que se projeta no mar para formar o belo porto natural da cidade, o maior da costa do Mar Adriático.

ancona04

No ano de 848 os Sarracenos ocupam Ancona e a destroem. O Arco de Trajano é privado das estatuas e dos bronzes, mas a cidade ressurge muito cedo com uma admirável vitalidade. Já em 1137 está em condições de sustentar um vitorioso assédio contra Lotario III e de repelir outros dois assédios: de Frederico Barba-roxa em 1167 e de seu lugartenente Cristiano (Arcebispo de Magonza) em 1174. Durante este assédio, o mais longo e penoso que dura de 1° de abril até a metade de outubro, brilha a forte e valente fibra do povo anconitano. A jovem viúva Stamira, numa audaciosa manobra, corre para acender um tonel de materiais inflamáveis provocando o incêndio de uma torre móvel inimiga. Um sacerdote, Giovanni da Chiò (Cláudio), mergulhando e nadando nas águas do porto durante uma tempestade, corta com um machado o cabo do navio almirante dos Venezianos, aliados do Barba-roxa, provocando o afundamento de vários navios inimigos.

ancona01e
vvo Papa que, batizou Trajano, responsável pelo renascimento do porto no século XVIII, fica num pedestal do meio da praça

Pesados bombardeios durante a 2a. Guerra Mundial destruíram grande parte da cidade medieval. Apenas alguns monumentos sobrevivem do apogeu medieval da cidade: a Loggia dei Mercati e a bolsa dos mercadores do século 15. No Palazzo Ferretti de 1500 está a sede do Museu Nazionale delle Marche com os achados pré-historicos e com os objetos encontrados nas escavações arqueológicas, que são importantes pela sua coleção e sua ordem racional. Telas de Ticiano e Lorenzo Lotto podem ser admiradas na Galeria de Arte Moderna e na Pinacoteca Comunale F. Podesti.

 

ancona08
Ancona é uma cidade portuária e fica na região de Marche. Tem apenas 100.000 habitantes e tem muito estudante por aqui.

ancona01d

Mais comumente conhecida como a praça do Papa, juntamente com a Praça da República, Piazza Roma e Piazza Cavour, é uma das quatro praças centrais de Ancona. Sua forma é única: muito alongado e retangular; também em particular, pelo fato de que incluir diferentes níveis, ligadas por duas rampas e escadas. Por isso, ela têm vista para alguns dos mais importantes monumentos:  Palácio do Governo, com a sua torre de relógio:

ancona17
A frente da porta Pia foi colocado um monumento em forma de uma âncora, em memória das pessoas desaparecidas no mar. Nas ultimas décadas o porto de Ancona tornou-se ponto importante para o fluxo turístico em direção a Grécia e ao Oriente Médio. Estão sendo estudadas iniciativas para estimular os numerosos turistas, para visitar e apreciar a cidade fundada pelos Gregos.

Praias

Ancona tem praias lindas conhecidas como Riviera Conero. O Passetto, com suas grutas típicas e serviços balneários caracteriza-se pela sua rocha branca e pela atmosfera típica de Ancona. Indo em direção ao sul, ao longo da estrada panorâmica do Conero encontram-se as praias de Trave, faixa que corta as águas límpidas e de Mezzavalle, um arco de litoral rochoso branco. Nas encostas do Monte Conero encontra-se a maravilhosa baia de Portonovo. Na parte sul da cidade, na zona de Palombina Nuova também há uma praia.

ancona01c

A cidade se apresenta em modo de anfiteatro sobre o promontório do monte Conero, 106 metros sobre o nível do mar, ao redor do porto natural; na extremidade do promontório se eleva à altura do monte Guasco, sobre o qual se apresenta a parte velha da cidade dominada pela catedral românica de San Ciriaco ( XI-XIII), que possui traços bizantinos e vênetos.  Ancona é o primeiro porto do mar Adriático, e um dos primeiros a ter  embarque de bens e da pesca. Embora a importância de Ancona como porto tenha diminuído, a cidade é um agitado centro comercial. A baía  possui modernas instalações desde a Segunda Guerra Mundial. De seu porto todos os anos cerca de um milhão de viajantes partem para a Grécia e Croácia, mas também na Albânia, Montenegro e Turquia.

Porta Pia

É uma antiga porta da cidade de Ancona. Foi construído entre 1787 e 1789 a mando do Papa Pio VI, por isso teve seu nome, o projeto foi encomendado ao arquiteto Filippo Marchionni, filho de Charles . O lado virado para fora da cidade é em pedra de Ístria , com decorações de período barroco, enquanto o lugar para Ancona, há ornamentos especiais, é feita de blocos de tufa. Muitos ornamentos e até mesmo o brasão de armas do Papa Pio VI foram esculpidas durante a ocupação napoleônica da cidade.

ancona14
Além do Arco de Trajano, há um outro arco, Clementine, em pedra de Ístria, construído por Clemente XII Corsini, por Luigi Vanvitelli (1738) e Vanvitelliana Mole ou Lazzaretto, ligada ao continente por pontes. O que antes era um lugar de refúgio leprosos e limpeza, hoje se tornou um grande palco cultural, o lugar do tradicional festival “klezmer” Festival de Música originado nas comunidades judaicas da Europa Oriental.

O Senado e o povo Romano, no ano 115 d.C., eternizam o acontecimento com o belíssimo Arco Triunfal (O Arco de Trajano), atribuído a Apollodoro de Damasco. Caído o Império Romano, começam as invasões dos Visigoti, dos Vândali, dos Goti de Vitige e dos Goti de Totila e a cidade deve defender-se varias vezes. Quando da chegada dos Longobardi, a cidade é forçada a aceitar sua proteção, mas quando chegam os Franchi, se coloca sob o alto domínio da Igreja, e é nesta ocasião que a região recebe o nome de Marca, do qual deriva o atual nome da região “Marche” de quem Ancona é a Capital.

Motor da economia local, o porto de Ancona é estritamente coligado à cidade, a seus acontecimentos históricos e a suas fortunas comerciais. Porto natural de origens muito antigas é compreendido entre os promontórios do Guasco e do Astagno. Elemento fundamental da fundação urbana, determinou a escolha dos Gregos para sua primeira instalação, num lugar que era ideal para o controle das rotas e encruzilhada de culturas. No ano de 115 d.C., com o imperador Trajano, conquistou uma grande importância estratégica e a cidade tornou-se uma ponte para o Oriente e sede de uma base militar pela conquista da Dacia.

 

ancona01

Os danos do terrível terremoto de 1972 e a consequente operação de escavação e de reestruturação da cidade determinaram importantes descobertas arqueológicas: por exemplo, descobriu-se uma necrópoli picena; na necrópoli romana, entre os últimos achados, a chamada tumba da “cabeleireira” pelos instrumentos característicos ali encontrados. Notáveis são os rastros de um antigo povoamento encontrado na colina do Cordeto.

ancona37

Após a muralha medieval da cidade, no cais, está o Arco do Triunfo de Trajano. Símbolo do reconhecimento que este contributo imperador deu ao desenvolvimento desta cidade. Erguido em 115aC por Apolodoro de Damasco que havia sido contratado como um sinal de agradecimento ao imperador Trajano, que pagou do próprio bolso para fazer um cais fortificado. O Arco foi originalmente decorado com ornamentos e estátuas, todo em mármore.

Veja mais fotos de Ancona:

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo