Você está aqui
Home > EUROPA > Europa > Bordeaux a meca dos vinhos na Fraça

Bordeaux a meca dos vinhos na Fraça

A cidade de Bordeaux (Bordéus)  está entre as cidades mais emocionantes, vibrantes e dinâmicas da França. Na última década e meia, foi lançada sua imagem lânguida, Belle au Bois Dormant (Bela Adormecida) graças à visão do prefeito da cidade, Alain Juppé, criou  passeios de pedestres, restaurou sua arquitetura neoclássica , criou um sistema de transporte público de alta tecnologia e recuperou as antigas docas industriais de Bordéus em Bassin à Flots. A metade da cidade (18 quilômetros quadrados) é listada pela Unesco, tornando-se o maior património mundial de cidade; enquanto os arquitetos de classe mundial projetaram um grande número de novos edifícios impressionantes – o estádio Herzog & de Meuron (2015), em forma de decantador La Cité du Vin (2016) e a ponte Jean-Jacques Bosc (2018) em todo o rio Garonne.

Place de la Bourse and Miroir d’Eau

Jogue “Bordeaux” no Google e a primeira imagem que aparece é dessa praça em forma de ferradura onde está o antigo prédio da bolsa, que foi construída para o rei Luís XV em 1755 como um símbolo de prosperidade da cidade na época. O Miroir d’Eau foi implementado em 2006 como marca desse novo período de Bordeaux pelo arquiteto Michel Corajou: é o maior espelho d’água do mundo – espere em frente até que os jatos de água comecem a espirrar o pessoal fique brincando entre eles.

Bordeaux é tradicional, contemporânea, clássica e cosmopolita. Não tem nada que invejar de Paris e o outono é uma estação ideal para descobrir esta linda cidade e suas vinhas.

Eleito o destino mais bonito da Europa, Bordéus é uma cidade que te deixará memórias de bom gosto, visuais e inesquecíveis. Esta cidade que agora é um dos destinos favoritos dos viajantes em busca de autenticidade oferece uma estadia excepcional onde a história, a gastronomia, o calor humano, o sorriso dos habitantes, mas também as vinhas de Saint-Emilion, as praias de Arcachon faa com que você se apaixone pela Aquitânia. uma das mais belas regiões da França.

Desde a Libertação da cidade na Segunda Guerra Mundial, a cidade cresceu e é hoje uma sede de uma das maiores áreas metropolitanas europeias do litoral, sendo um destino turístico muito apreciado.

Bordeaux (Bordéus)  é uma cidade que muitos brasileiros apaixonados por vinho sonham em conhecer. Conhecida pelos franceses como “La Belle au Bois Dormant” (A Bela Adormecida), Bordeaux foi completamente revitalizada nos últimos 10 anos e está uma cidade bem linda e muito fácil de se locomover pelos visitantes. Por conta dessa renovação, em 2007 a UNESCO incluiu a cidade em sua lista de patrimônios. Bordeaux, então, acabou se tornando o maior Patrimônio Mundial urbano.

Bordeaux não é uma cidade exatamente pequena, mas seu relevo plano facilita andar a pé e de bicicleta. Um bom ponto de referência é a Place de la Victorie, que se conecta a vários pontos da cidade, como à estação de trem (pela Cours de la Marne) ou a central Place de la Comedie (pela rua de pedestres Rue Sante Catherine).

Place Gambeta Praça com jardins muito bonitos e um movimento intenso de pessoas. É um dos pontos de referência da cidade. No passado, foi palco de muitas execuções com guilhotina. Nela está a Porte Dijeaux, um dos poucos portões do séc. 18 que ainda restam na cidade.

Bordeaux é a capital da região vinícola mais conhecida do mundo, e esse é um motivo mais que suficiente para incluir a cidade nos roteiros de viagem. Localizada próxima do mar Atlântico, no sudoeste francês, a três horas de trem da capital Paris, a cidade é cortada pelos rios Dordgone e Garrone. Com menos de 300 mil habitantes, a pequena Bordeaux além de ser considerada a meca dos vinhos, possui um centro histórico que a maior parte dele é tombada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, são mais de 350 edifícios tombados e é o maior patrimônio urbano do mundo. São catedrais, ruas, vielas, praças, lojinhas, restaurantes e cafeterias, tudo muito charmoso e fácil de ser percorrido a pé.

De construções majestosas, Bordeaux é uma metrópole moderna e dinâmica que funciona como ponto de encontro, econômico e cultural, entre Europa do Norte e do Sul. Quando se pensa em Bordeaux, pensa seguramente nos seus castelos e no seu famoso vinho. É importante recordar que a viticultura é uma das principais riquezas econômicas e culturais da região, considerados os vinhedos mais prestigiosos do mundo. Mas, se esta cidade deve grande parte da sua fama ao vinho, há que destacar que sua fama indiscutível é mais pelo seu rio que lhe deu, e desde a antiguidade, riqueza e importância e a sua presença continua a ser, ainda hoje, muito ligada à cidade.

La Cité du Vin

A Cité du Vin se assemelha a um “redemoinho de vinho” . Foi gasto £ 63 milhões na construção desse museu. Surge eminente no horizonte do rio com seu prédio circular, que pode remeter ao vinho girando na taça, a um decanter ou às curvas do Rio Garonne. O museu, inaugurado em 2016, é um ode ao vinho e a seus 90 países produtores. A primeira ala tem uma série de salas com paredes espelhadas que abrigam degustações e workshops – a mais legal delas é o “espaço polisensorial”, com uma tela 360 graus que, enquanto você degusta um vinho italiano, por exemplo, te mostra cenas de um mercado na Itália com pessoas falando e cheiros saindo. Há ainda uma sala de leitura (com livros sobre vinho, claro) e uma galeria de arte.

 

O museu do vinho e o centro cultural conhecido como La Cité du Vin (www.laciteduvin.com) foi inaugurado em junho de 2016. Ele possibilita que visitantes façam uma descoberta inigualável de civilizações vinícolas de todo o mundo . O valor da Cité du Vin está ancorado em duas proposições: a construção de um museu de classe mundial em um prédio com arquitetura notável, que se adequa ao seu propósito; uma viagem espetacular ao longo do tempo, da história e das culturas do mundo para aprender sobre o vinho.

Localizado nas margens do rio Garonne, a Cité du Vin é um monumento a ser maravilhado antes mesmo de entrar. Um design original da agência parisiense XTU, a arquitetura ousada pretendia se destacar na multidão de grandes museus internacionais em outras cidades e fachadas majestosas em Bordéus. Diz-se que a forma do prédio simboliza o fluxo espiral de vinho que gira em um copo. Com um belvedere subindo 180 pés acima do solo (e uma plataforma de visão de 115 pés no 8º andar), a estrutura ribeirinha é decorada com 3.000 painéis de alumínio iridescentes que capturam e refletem as mudanças de reflexão do rio adjacente ao qual Bordeaux e seus vinhos destacam sua proeminência. Dentro, as exposições temporárias e permanentes levam os visitantes a uma jornada pelo tempo (de 6.500 aC até a era moderna) para obter uma compreensão das culturas vitivinícolas dos cinco continentes.

La Cité du Vin possui um auditório de 250 lugares, um espaço de exposição permanente de 3.249 m² e uma exposição temporária de 846 m2, um restaurante panorâmico e salão de provas, o edifício evoca o movimento do vinho se transforma no vidro. Um jardim “nativo” simboliza a paisagem estuarina proporcionando uma transição suave entre a atmosfera industrial das antigas docas para iates e os bancos do Garona. O espaço é tão gigantesco que uma tarde é pouco para ver tudo. A visita é coroada com um bar envidraçado no topo com o teto coberto de taças penduradas, onde o ingresso dá direito a escolher um vinho pra degustar da seleção disponível. E, de volta ao primeiro andar, duas lojas vendem variados rótulos e ainda comidinhas (geleias, mel, mostarda) pra levar pra casa.

Esplanade des Quinconces Ocupa uma área de 12 hectares. Datada do século 19, esta grande área verde ostenta o Mémoire des Girondines, monumento que lembra os Girondinos, grupo político de origem burguesa cujos integrantes perderam suas cabeças durante a Revolução Francesa.

Cada bairro é um testemunho vivo da história de Bordeaux e é um verdadeiro prazer descobrir os segredos que guardam cada rua, cada edifício, cada fonte… esta cidade é um verdadeiro prazer para os olhos. Além do vinho, o rio Garona e sua bela arquitetura, a cidade de Bordeaux possui também uma oferta de museus e de outros lugares culturais e de lazer. A região possui praias de areia fina, florestas de pinhos, dunas, cidades medievais, sítios pré-históricos e obviamente os Pireneus. Sem dúvida, Bordeaux é um lugar ideal para estudar e aprender o francês, ao mesmo tempo desfrutar de tantas riquezas.

As árvores no estacionamento da Esplanada são tão fechadas que lembram um corredor. Sua enorme fonte é um dos cartões postais de Bordeaux. Atualmente no local acontecem os festivais de música durante o verão.

Aquitaine, uma região do Sul da França, é reconhecida por sua qualidade de vida. A capital de Aquitaine, Bordeaux, é uma próspera cidade portuária, às margens do rio Garonne, com belas mansões e obras arquitetônicas do século XVIII, incluindo o Grand Theater do arquiteto Victor Louis, excelentes locais de compras e inúmeros eventos culturais. A variedade da região de Aquitaine abrange não apenas cavernas pré-históricas, aldeias e vales de rios ressonantes das vinhas de Dordogne e de Bordeaux. Amplamente aberta para o oceano, a região de Aquitaine está no caminho entre Paris e a Espanha, entre o oceano Atlântico e o mar Mediterrâneo.

Bordeaux é famosa por sua gastronomia e seus vinhos. Restaurantes com preços mais acessíveis encontram-se entre Places St.-Pierre, Gambetta e de la Victorie (popular entre estudantes). Os lugares mais típicos são brasserries, cafés, bistrôs e pâtisseries (confeitarias). O menu mais barato para comer (bem) é em torno de 10,40EUR. Experimente o pâté de foie gras (patê de fígado de pato), um bom vinho, pão e queijo da região.

“Bordeaux é uma cidade curiosa, original e talvez única. Pegue Versailles, misture com Antuérpia e você terá Bordeaux.” Victor Hugo, em sua primeira visita à cidade em julho de 1843.

Grand Théâtre de Bordeaux

Casa da Opéra National de Bordeaux, o belo prédio de 1780 tem colunas neoclássicas decoradas com as deusas Juno, Minerva e Vênus, e sua escadaria central inspirou Charles Garnier a desenhar a da Ópera Garnier, em Paris. Sua praça virou point de locais e turistas; tem gente papeando sentada nos degraus, andando de skate e bicicleta e sentada das mesinhas dos cafés que tem ali, um deles parte do Intercontinental Le Grand Hotel, que fica em frente ao teatro.

Grand Théâtre Na Place de la Comédie. Foi construído no final do século 18, em estilo Neoclássico. Não é permitida visitação. Seguindo em direção ao rio, à sua direita, está a charmosa praça Place de la Bourse. Construída também no século 18, é um dos lugares mais bonitos da cidade, com seus dois belos prédios, o Palais de la Bourse e o Hôtel des Douanes.

Localizada próxima do mar Atlântico, no sudoeste francês, a três horas de trem da capital Paris, a cidade é cortada pelos rios Dordgone e Garrone. Com menos de 300 mil habitantes, a pequena Bordeaux além de ser considerada a meca dos vinhos, possui um centro histórico que a maior parte dele é tombada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, são mais de 350 edifícios tombados e é o maior patrimônio urbano do mundo. São catedrais, ruas, vielas, praças, lojinhas, restaurantes e cafeterias, tudo muito charmoso e fácil de ser percorrido a pé.

Como muitas outras cidades da França, como Arles, Nîmes e Lyon, Bordeaux também é uma cidade com uma coisa em comum: os romanos também se instalaram aqui durante alguns anos. Exemplos de construções romanas podem ser encontradas no centro da cidade, o qual inclui a Place des Quinconces e a torre do relógio Grosse Cloche.

O aeroporto de Bordeaux fica a 10km do centro da cidade. O ônibus 1 (que sai do Terminal B) te leva até a Place des Quinconces, no centro. De lá, você pode pegar um bonde para o seu hotel, se necessário.

De trem, é só descer na estação St-Jean e pegar o bonde C para o seu hotel (eles passam na frente da estação de trem). A pé, a caminhada até o centro será de cerca de 20 minutos. A cidade é bem plana e super fácil de caminhar.

Dica: para conseguir um mapa da cidade e também saber mais sobre as opções de passeios na região de Bordeaux, vá até o escritório de turismo. Há três endereços: um no centro ( rua 12 cours du XXX Juillet), outrado lado da estação de trem e a última na rua 28 des Argentiers.

Um projeto de revitalização massivo iniciado em 1995 (e ainda em curso) transformou as margens do Garonne em parque, tornou o centro histórico mais amigável a pedestres e bicicletas, limpou e deixou tinindo o belo conjunto arquitetônico de pedra calcária do século 18 e instalou modernos trams (a primeira linha foi aberta em 2003). Tanto foi feito que, em 2007, o centro foi tombado pela UNESCO (é o maior patrimônio urbano do mundo) e a cidade passou a atrair franceses de outras partes do país (principalmente Paris), que a adotaram como moradia.

Pont de Pierre

Se não quiser caminhar, pegue um bonde para fazer a travessia da ponte. A ponte foi restaurada em 2003 para acomodar a rede crescente de bondes da cidade. Stalingrad é a parada mais perto da margem direita e Porte de Bourgogne fica perto da margem esquerda.

A Pont de Pierre, também chamada de Ponte de Pedra, foi, por muitos anos, o único modo de cruzar o Rio Garonne. Caminhe pela passagem para pedestres da ponte e aproveite as incríveis vistas para Bordeaux. Volte durante a noite para ver as lâmpadas de ferro acesas. A ponte é um ponto perfeito para começar seu passeio pelo centro histórico ou para caminhar por La Bastide, um bairro menos conhecido do outro lado do rio.

A ponte foi inaugurada em 1822. Cruze a estrutura de 490 metros a pé e admire as vistas para o centro antigo. Observe as grades de ferro e as lâmpadas elegantes que percorre toda a ponte e pare para ver a torre de sino da Basilique Saint-Michel.Da base da ponte, o centro histórico fica a uma pequena distância a pé. Explore outros locais históricos, como a Cathédrale Saint-André, o centro religioso de Bordeaux, e o Musée d’Aquitaine, que mostra a história de Bordeaux. Vá para o lado direito para chegar ao Jardin Botanique, ao Parc des Berges e às áreas para compras e entretenimento.

 

Cathédrale Saint André
O que fazer em Bordeaux: a igreja gótica foi fundada em 1096 pelo Papa Urbano II, mas grande parte da estrutura foi reconstruída nos séculos 13, 15 e 19 (depois de ter sido usada pra abrigar animais durante a Revolução Francesa). Quem encarar subir os 230 degraus da Tour Pey-Berland recebe um belo panorama da cidade de cima.

 

Grosse Cloche (grande relógio)

Aqui o Grosse Cloche (grande relógio) , uma enorme torre datada do século XV com 40 metros de altura. No topo telhados circulares de castelo de princesa e um enorme sino que antigamente o sino era usado para alertar os moradores em caso de incêndio.

Veja mais imagens de Bordeaux:

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo