Você está aqui
Home > EUROPA > Europa > Espanha > Cáceres > Cáceres e Santa Maria de Guadalupe

Cáceres e Santa Maria de Guadalupe

Patrimônio da Humanidade desde 1986, Cáceres é um dos mais belos conjuntos monumentais da Europa. Com magníficos edifícios, que vão do gótico ao barroco, encanta o visitante com a beleza da sua arquitetura e a agitação cotidiana das suas ruazinhas, habitadas desde há séculos pelas mais ilustres famílias espanholas.

cáceres15
A presença humana no território que hoje em dia corresponde à cidade de Cáceres remonta à Pré-história. Na zona de Calerizo existem várias escavações onde foram encontradas pinturas de mãos humanas com a particularidade de ter o dedo mindinho amputado. Mas foi, sem dúvida, no século I a.C., quando da fundação romana, da capital administrativa do local, Norba Caesarina, junto da via de comunicação mais importante da zona (depois conhecida como Via da Prata), que a cidade conheceu os primeiros tempos de prosperidade. No século V, os visigodos arrasaram a cidade e até ao século IX não se ouviu mais falar de Cáceres.

 

O passado áureo de Espanha encontra-se, sem dúvida, bem retratado pelo seu espólio arquitetônico, admiravelmente preservado. Este país reúne cerca de uma dezena de cidades classificadas de “Patrimônio da Humanidade”, entre uma série de monumentos e vestígios arqueológicos igualmente reconhecidos pela UNESCO.

cáceres05
Muralhas adentro: A entrada faz-se pelo Arco de la Estrella, construção barroca que substitui a anterior, de estilo gótico, a que se chamava Porta Nova. É coroada pelo escudo de Cáceres e pela estatueta de Nossa Senhora da Estrela. A partir daqui desdobram-se ruas e vielas serpenteantes, cujas curvas apertadas escondem palacetes atrás de palacetes, igrejas e museus centenários, em estado tal de conservação que os visitantes – passe o exagero – mais parecem ter sido convidados para a festa de inauguração que para uma visita ao passado.

Cidade Velha tem início a partir da Plaza Mayor que é uma magnífica praça de arcadas, com cerca de 6000 metros quadrados. Já serviu de mercado agrícola, palco de exibições equestres e de praça de touros, mas atualmente está “ao serviço” dos milhares de viajantes que acorrem à cidade, alojando lojas de souvenirs, bares, restaurantes, pastelarias, a Câmara Municipal (Ayuntamento), o Posto de Turismo e a Torre de la Hierba. Esta última foi construída pelos árabes, no século XII, e encontra-se unida às muralhas que cercam o conjunto urbano classificado pela UNESCO em 1986. À esquerda, quase junto à entrada do grande muro, está a Ermita de La Paz, uma capela renascentista do século XVI dedicada a São Benito, que fica adossada à Torre do Bujaco, construção quadrangular com cerca de 25 metros de altura, edificada sobre ruínas.

cáceres01
O coração da urbe, conhecido como Cidade Monumental, exibe no interior das muralhas tesouros arquitetônicos como a Igreja de Santa Maria (do século XV, em estilo gótico), a bela Casa de los Golfines de Abajo (século XVI), o Museu Provincial, alojado num palacete do século XVI construído sobre uma cisterna árabe do século XII, e a elegante Torre de las Cigüeñas (Torre das Cegonhas), entre muitas outras mansões e igrejas.

 

cáceres02
A província de Cáceres oferece outras vilas e cidades dignas de interesse, como Alcântara (com uma magnífica ponte romana), Coria (de muralhas bem conservadas e uma imponente catedral gótico-renascentista) ou Plasencia (com duas catedrais e uma encantadora parte antiga), mas as belezas naturais da região não lhes ficam atrás.

A atual ermida, em honra de Santo António de Pádua, foi construída sobre uma antiga sinagoga, que contrasta, na sua simplicidade, com a suntuosidade dos restantes templos.  Para regressar ao centro há que subir por calçadas íngremes em ziguezague até à Plaza de las Valetas, onde os banquinhos junto à Torre das Cegonhas são imprescindíveis para recuperar o fôlego. Na Primavera, esta é uma das praças que acolhem os concertos integrados no Festival de Música WOMAD, certame que visa reunir músicos de todo mundo, ao longo do ano, nos mais distintos pontos do planeta. Esta pode ser uma das mais marcantes, mas não é a única iniciativa do gênero, pois Cáceres é cenário muito cobiçado para a realização de certames literários, festivais de vídeo, teatro e dança, entre outros eventos culturais.

A arquitetura característica da Cidade Velha era inicialmente austera e de forte caráter defensivo, a que foram acrescentados, posteriormente, elementos mais elegantes de cariz fortemente renascentista. Aliás, foi por altura do Renascimento que a atividade construtiva se tornou extraordinariamente dinâmica, graças ao forte impulso econômico proporcionado pela conquista das Américas. Os mais belos edifícios da cidade foram erguidos nessa época, e é essa a Cáceres – em pleno esplendor – que, ainda hoje, se pode apreciar.

cáceres10
Após interessante caminhada pelo centro histórico aproximamo-nos da “Cáceres moderna”. Tomando a Calle Olmos, passamos (ainda) pelos Palácios de los Golfines de Arriba e de los Condes de Adanero, este último com claras influências do maneirismo italiano. A saída faz-se pelo Arco de Santa Ana e eis-nos já muito próximos da Gran Via e dos Jardins de Espanha, um dos espaços mais atrativos da cidade atual, que, apesar de ter crescido harmoniosamente nos últimos anos, não exibe o caráter e grandiosidade da “metade mais velha”.

Caso esteja próxima a hora bruja, como aqui se chama ao entardecer, escolha um local agradável  das muitas esplanadas encontradas em Cáceres, para planejar o próximo local a conhecer. A Vaga Maior de Cáceres segue sendo o centro vital da moderna cidade. Lugar emblemático e porta primeiramente ao passado glorioso que encerra seu capacete velho, amuralhado por romanos e árabes. Sob seus portais graníticos se realiza a transição entre o passado Século de Ouro e o atual século XXI. Em suas casas, em seus comércios e em seus restaurantes se nota a evolução que harmonicamente nos vai colocando no presente. Do silêncio quase fóssil das velhas vagas e callejas, passa ao grande espaço para pedestres da vaga, que anuncia o próximo alvoroço e bagunça da vigorosa vida da capital da Alta Extremadura. Desde aqui a cidade abrindo-se como uma tela de aranha, estende-se para oriente e ocidente, seguindo o percurso desse sol que enche de luzes e sobras, de maravilhosos contrastes, a esta peculiar cidade.

cáceres22
Aqui me encontro no Paseo de Canovas , na parte moderna de Cáceres. Modernos traçados e novos bairros levaram Cáceres a multiplicar sua população até transbordar os 90.000 habitantes, conjugando a modernidade e o progresso, com a conservação e o respeito a seu patrimônio monumental, conseguindo manter vivo um centro urbano que se converteu num autêntico museu ao ar livre, que merecedor da nomeação pela U.N.E.S.C.O. de Patrimônio da Humanidade. Por estas mesmas razões e por sua pujante vida cultural, Cáceres aspira a converter-se em 2016 na capital Cultural de Europa. Um sonho, uma meta excepcional de Extremadura na Espanha.

Cáceres foi declarada em 1986 Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, já que possui um dos conjuntos urbanos da Idade Média e do Renascimento mais completos do mundo. Destaca-se por ser a sede de um dos campus com que conta a Universidade da Extremadura e pela sua dinâmica vida cultural no conjunto da Comunidade Autônoma.

Veja mais fotos de Cáceres:

Artigos similares

One thought on “Cáceres e Santa Maria de Guadalupe

  1. Eu gostava muito de Cáceres, de um lado da Praça os sobrados de pedra e do outro lado as portas em Arco onde funcionavam as repartições públicas. e a Praça ficava cheia de ciganas lendo sua sorte atgravés da leitura das mãos. achei muito interessante…. eu passava por Cãceres todas as vezes que eu ia para Madrid…. fica a caminho da Capital Espanhola. Madrid uma lindissima capital… verdadeira metropole…… povo bom e cortez……

Deixe uma resposta

Topo