Você está aqui
Home > EUROPA > Gênova a capital da Ligúria

Gênova a capital da Ligúria

Para conhecer bem a Ligúria, é preciso descobrir sua capital: Gênova, cidade de 800 mil habitantes, a 500 km de Roma, acariciada pelo sopro do mar e rodeada por costas rochosas e escarpadas. Ali, o viajante tem a impressão de ter entrado num grande antiquário. Com uma história única, a capital da Ligúria nasceu por volta de 500 a.C. e, de súbito, se tornou personagem importante no tráfego marítimo do Mediterrâneo, comerciando com a Córsega, e com pontos tão distantes como Bizâncio (atual Istambul), Argélia e Síria. Gênova é uma charmosa e importante cidade italiana à beira do Mediterrâneo.

genova01a
Em torno do ano 1000, Gênova passou por contínuas transformações. Pela forte demanda da navegação e do comércio, readaptou seu espaço e sua estrutura. Já no século 16, que alguns historiadores chamam de “o século dos genoveses”, foi um tempo em que seus habitantes sobreviveram fechados. Nas mãos de Andrea Doria (1466-1560), o grande doge da então cidade-Estado, alcunhada “A Soberba” e rival de Veneza, “A Sereníssima”, Gênova teve seu esplendor recuperado, depois de participar das Cruzadas e de combater invasões mouras.

Margeada por uma extensa bacia hidrográfica e protegida por um conjunto acidentado de montanhas, a cidade de Gênova abriga o mais importante porto marítimo da Itália, além de destacar-se como polo comercial e industrial de notável desenvolvimento no norte do país. Uma parte da antiga cidade de Gênova foi inscrito na Lista do Patrimônio Mundial (UNESCO) em 2006. A cidade é rica em arte, música, gastronomia, arquitetura e história, tornou-se em 2004 Capital da cultura.

Piazza De Ferrari

genova125
Praça de Ferrari, com sua bonita fonte e cercada por prédios fica situada no coração da cidade, entre o histórico e o moderno centro. Aliás a Piazza De Ferrari é conhecida pela sua fonte, que foi restaurada nos últimos anos, juntamente com uma remodelação da praça principal. Hoje, ao lado de Piazza De Ferrari encontra-se inúmeros edifícios de escritórios, sedes de bancos, seguradoras e outras empresas privadas, fazendo deste modo o distrito financeiro e de negócios do Gênova, que Genoeses popularmente se referem com a “City” .

Quando imensos contingentes de italianos deixaram o país rumo à América, a partir de meados do século 19, Gênova foi o porto de saída obrigatório de todos eles. Hoje, na contramão da história da imigração, visitar a capital lígure é redescobrir uma autêntica cidade da Itália que ainda não foi invadida pelo turismo de larga escala.

Palazzo Ducale

genova60
O Palácio dos Doges é um edifício histórico em Gênova , norte da Itália. Uma vez a casa dos Doges de Genos , é agora um museu e um centro de eventos culturais e exposições de artes. Ele está situado no coração da cidade, com duas entradas diferentes e fachadas, a principal na Piazza Matteotti, e a segunda na Piazza De Ferrari.

Cattedrale di San Lorenzo – Duomo

genova11a
Está é a Catedral de Gênova, e foi construída em estilo românico-renascentista. Escavações sob o pavimento e na área em frente da fachada de hoje trouxeram à luz as paredes e pavimentos da época romana, bem como sarcófagos pré-cristãos, sugerindo a existência de um cemitério no local.
genova13
O Duomo ou Catedral de San Lorenzo é uma igreja medieval construída em 1100, e associa vários estilos arquitetônicos, especialmente o românico, o barroco, e o gótico. Este último pode ser facilmente observado na fachada da catedral, alternada com faixas brancas e negras.

Porta Soprana

genova119
Em 1155 os genoveses temia um ataque por Frederico Barbarossa. Para isso, apressou-se a criar um circuito de paredes que abraçaram grande parte da cidade. A entrada principal, no lado leste foi formada por Gates – ou Portão de Santo André, o nome do convento nas proximidades – como a porta que se voltou para o oeste era o gêmeo Porta dei Vacca. As duas torres que enquadram o acesso dos Soprana ir longe, duas lápides em empresa comemorativa Latina.

Portão de Santo André (em Ligúria Porta de Sant’Andria) foi uma das entradas da cidade de Gênova também conhecido por Porta Soprana.  Entre as principais arquiteturas medieval de pedra da capital da Ligúria, está situado no topo do Plano de Sant’Andrea , de onde tira o seu nome (o nome é bastante Soprana uma corrupção de Superana: a porta foi assim chamado porque ele foi levantada acima do plano da cidade).Atravessando a porta, bem pertinho fica a casa-museu de Cristóvão Colombo.

Casa de Cristóvão Colombo

O edifício é de dois andares, enquanto a fachada foi restaurada no século XVII. O piso térreo era usado como uma oficina de seu pai, que estava no comando de lã tecelagem e comércio. Escavações recentes, realizados durante o trabalho de restauração, trouxeram à luz as antigas fundações de um edifício que remonta a antes da Idade Média, provavelmente ao século VI.

genova66
O nome do navegador Cristóvão Colombo (1451-1506) está presente em toda a Gênova. Aos arredores da estação ferroviária de Porta Príncipe, uma estátua do explorador do Novo Mundo saúda os visitantes à entrada da Piazza Acquaverde. O aeroporto da cidade também leva o nome de Colombo, além de outros diversos edifícios públicos da cidade. O pequeno sobrado, junto à medieval Porta Soprana, supostamente teria sido a casa onde Colombo passou a infância e “descobriu” a sua paixão pelo mar.

 

genova55

Não há a certeza de que Cristóvão Colombo, o famoso navegador e explorador do Novo Mundo, tenha nascido em Gênova, em Savona, 15 quilômetros a oeste, ou mesmo fora de Itália. No entanto, alguns registos referem-se ao seu pai, um tecelão, e a várias residências da família nesta cidade.

genova122
Partindo da ideia de que a Terra seria esférica, Cristóvão Colombo planejou chegar às Índias navegando a partir do Ocidente, contornando, assim, todo o globo terrestre. Em princípio, o navegador propôs essa empreitada ao rei português D. João II em 1484, que rejeitou patrociná-la. Colombo resolveu, então, tentar a sua sorte na Espanha, junto aos reis católicos, que concederam-lhe o apoio necessário à viagem. Contudo, acabou por descobrir um novo continente, a América, em 1492.

 

genova131

É melhor visitar Gênova em dias úteis, pois hoje em dia muitos dos palácios abrigam instituições e escritórios, como a Câmara de Comércio, os vários bancos, etc.

genova81
O funicular Zecca-Righi ( italiano : Funicolare Zecca-Righi) é um funicular que liga o Largo della Zecca, na orla do centro histórico da cidade, a várias estações na encosta da colina Righi . A linha é um dos vários funiculares verdadeiros na cidade, incluindo o funicular Sant’Anna e do funicular Quezzi , embora o trem de cremalheira Principe-Granarolo também é às vezes erroneamente descrito como um funicular.

genova57

O bairro Strade Nuove em Gênova é um bairro nobre, e sempre foi endereço de famílias tradicionais da aristocracia genovesa. Sua monumental arquitetura ainda causa admiração nos visitantes italianos e estrangeiros. Os seus palácios, que são chamados de Rolli di Gênova, têm átrios, salas espetaculares, afrescos, jardins, fontes com estátuas, coleções de arte. Em 2006 foram reconhecidos pela UNESCO como Patrimônio Mundial.

genova129

Na época da República de Gênova (século XI até 1797) os “Rolli” eram os palácios e as mansões das grandes famílias nobres que queriam hospedar pessoas eminentes em viagem de Estado. As mansões listadas entre os Sítios do Patrimônio Mundial da UNESCO são 46, mais uns oitenta Rolli que chegam intactos aos nossos dias. Um complexo harmonioso de edifícios, que encantou o pintor holandês Peter Paul Rubens.

genova09
Certamente a beleza de Gênova deve tanto a seus prédios históricos, como o famoso Palazzi dei Rolli, nos tempos antigos, residências antigas das famílias nobres agora se tornaram patrimônio artístico e cultural do centro de Gênova. Lindas fachadas com afrescos e tesouros escondidos surpreendem os turistas que passam por essa região da cidade.

As mansões são  um amontoado de afrescos, móveis, estátuas, tecidos preciosos e quadros elegantes, como os dos Flamengos, que estavam na moda naquela época. Os prédios rivalizavam em tamanho, e em instalações raras na época, como a água quente.

genova99
Em meados do século passado, Gênova ficou espremida entre um viaduto e a velha zona portuária, que tem monumentos como a Porta dei Vaca, do século 14. Mas, em 2004, a cidade, escolhida Capital Cultural da Europa naquele ano, renasceu como um dos melhores exemplos de regeneração urbana em zona portuária, recuperando prédios públicos seculares da parte antiga e criando, ajudada por arquitetos como Renzo Piano, espaços urbanos e ganhando, inclusive, o maior aquário do mundo. Há muito para ver e fazer. Para conhecê-la melhor é preciso descobrir de perto, vendo o contraste do encontro e desencontro entre o mar e as montanhas que abraçam esse território peculiar.

Gênova é um importante porto marítimo que rivaliza com a cidade francesa de Marselha na disputa pelo lugar de melhor porto do mar Mediterrâneo É também chamado de La Superba (“a soberba”) devido ao seu passado glorioso.

Porto Vecchio

O porto é o coração de Gênova, a origem do seu poder e riqueza desde o século XI. Aqui respira-se trabalho, patente em todos os navios de mercadorias que por ali passam diariamente, estradas movimentadas, cais e edifícios de escritórios, a maior parte datados da década de 60 do século passado.A perpetuar a glória medieval, encontramos o farol, conhecido por Lanterna, restaurado em 1540 e localizado perto da Stazione Marittima. Antigamente, ateavam-se fogueiras no cimo da Lanterna, para guiar a entrada dos navios no porto.A melhor forma de apreciar o porto é a partir do mar; partem barcos para visitas guiadas desde a Ponte dei Mille.

Il Bigo

genova05
Este elevador panorâmico giratório (Il Bigo) foi inspirado nos mastros de um navio e eleva-se a mais de 40 metros de altitude, oferecendo excelentes vistas do porto e da cidade cilíndricas.

Hoje Gênova está despertando graças aos forasteiros, eternamente desprezados pelos genoveses. Como há tempos se fazia, muitos viajantes, artistas e escritores fincaram morada nessa cidade. Talvez tenham sido esses românticos incorrigíveis, como Byron, Balzac e Rimbaud, com suas crônicas, cartas e contos, a tornar viva essa cidade cheia de memórias.

genova102
Embora se localize no meio da Riviera Italiana, entre San Remo e Viareggio, Gênova é agitada pelas suas indústrias e comércio, mas também pelo turismo além de ser um porto de onde partem os turistas para a Sardegna e outras cidades da Europa. Encravada entre os montes Apeninos e a costa da Ligúria, quem sobe pelos becos que convergem até o porto em direção à piazza de Ferrari, marcada por uma fonte circular de 1936, encontra a catedral do século 13 consagrada a São Lourenço, também chamada de Duomo.

A Biosfera

genova20
Uma estufa futurista, construída em 2001, sobre um projeto de Renzo Piano, onde cresce uma grande variedade de plantas tropicais, algumas delas são espécies bastante raras. Podem ver-se igualmente muitas borboletas e camaleões.

Gênova possui um porto natural, protegido pelas montanhas, a este e ao mar deve o seu desenvolvimento. Inúmeros monumentos são o testemunho da riqueza e opulência durante a Idade Média. No séc. XVI, a família Doria revelou-se uma astuta patrona das artes.

genova107
Gênova tem o famoso porto marítimo, fundado provavelmente no século 5 a.C. e chegou à Idade Média com um gigantesco império marítimo. Foi destruída pelos Cartagineses em 209 a.C., sendo posteriormente reconstruída pelos Romanos, que a usaram como base durante a guerra que travaram com a Ligúria. Ela possui ainda um ar da época das grandes navegações, inclusive um barco atracado no porto .

Acquario di Genova

genova52
O Aquário de Gênova é o maior aquário da Itália e a segundo maior da Europa. Construído para a Expo 92 Gênova , o Aquário de Gênova é uma perspectiva científica, centro cultural e educacional. Sua missão é educar e sensibilizar a opinião pública em matéria de conservação, manejo e uso responsável dos ambientes aquáticos. Estima-se que por ano sejam mais de 1,2 milhões de visitantes.

Ingressos

Tem a possibilidade de comprar pela internet (e evitar as filas que dependendo do dia e da hora são enormes) neste site AQUI, com preços á partir de EUR 24,00 para adultos EUR 15,00 para crianças (os menores de 3 anos não pagam).

genova110

O Aquário de Gênova é um dos maiores da Europa e atrai mais de um milhão de visitantes por ano. Os tanques contêm seis milhões de litros de água, a área de exposição soma dez mil metros quadrados, vivem lá 5.000 hóspedes aquáticos de 500 espécies e 200 espécies de plantas.

genova41
O maior de todos os tanques é com certeza o dos golfinhos. Você antes vai ver a parte de cima, descoberta, onde de vez em quando esses mamíferos, junto aos treinadores, fazem um belo espetáculo. Depois chegando na parte de baixo, vai realmente ver o tamanho! Imenso! O legal foi que chegamos em um período que tinha acabado de nascer um golfinho, que então ficava “passeando” junto com os pais.

Os mais de 70 nichos e tanques mostram golfinhos, tubarões, medusas, moréias, polvos, tartarugas, pinguins, corais e até recriam rios de florestas tropicais, o mar Vermelho e o oceano Índico, chamando sempre a atenção para a existência de um relacionamento responsável do homem com o ambiente aquático e com o mar.

genova40

Um dos maiores aquários da Europa, este edifício em forma de barco foi uma das principais novidades que as celebrações dos 500 anos da viagem de Colombo trouxeram à cidade. O Aquário de Gênova conta com mais de 5 mil seres marinhos nadando em milhões de litros de água.

genova112
Não pensem de ver tanques que qualquer loja tem…são enormes! Tem corredores percorrendo as laterais dos tanques e com luzes baixas para permitir que você aprecie melhor os peixes.

 

genova36
No final de sua visita pelo aquário tem uma lojinha com varias lembranças. Uma vez fora do aquário, pode visitar um navio “pirata” (ingresso separado) que fica estacionado no porto mesmo.

Gênova se projetou no século 12, vencendo os piratas sarracenos que agiam na costa da Ligúria. Naquela época os mercadores fizeram fama e fortuna em Bizâncio (Istambul) e Bruges (Bélgica) e foi a vocação marítima dos genoveses que levou a Espanha a financiar a viagem que o traria Colombo até as Américas. Também foi pelo Porto de Gênova que passaram os imigrantes italianos que se dirigiam para a América no século 19.

genova117
Cais movimentado por famílias e jovens genoveses, marinheiros e turistas, o Porto Antico (“Porto Antigo”) é considerado o coração de Gênova, representando o pilar do seu poder como cidade portuária durante os séculos XI e XII. Por entre os vestígios da glória medieval, é possível visualizar um imponente farol – a Lanterna –, localizada próxima da Estação Marítima. E, para os apaixonados na biodiversidade marinha, o Porto Antico também acolhe o maior aquário da Europa.

genova28

O clima de Gênova é temperado, com influência mediterrânica, visto que há um decréscimo nas precipitações durante o Verão, mas não tão forte quanto em outros locais de clima mediterrânico típico. O mês mais frio na cidade é Janeiro, com temperatura média de 8° C, enquanto o mês mais quente é o de Julho, com temperatura média de 24° C. As estações mais chuvosas são o Outono e o Inverno. A queda de neve é algo incomum na cidade.

 

Veja mais fotos de Gênova:

 

 

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo