Você está aqui
Home > EUROPA > Europa > Portugal > Lisboa > Lisboa e seus locais encantadores

Lisboa e seus locais encantadores

Sempre ouvi dizer que provavelmente Lisboa é a mais fascinante, apaixonante e satisfatória de todas as cidades da Europa. Com céu azul todo o ano e um Inverno ameno (nossa e o frio que passei por lá?), este destino oferece oportunidades de compras fabulosas, uma vida noturna fantástica, empolgantes panoramas da cidade e do rio e um ambiente pitoresco onde elétricos antigos nos levam através das estreitas ruelas empedradas até aos excelentes pontos turísticos . Encontramos também  largas avenidas: o prático do antigo funde-se com a sofisticação do século XXI. Sendo uma das mais bonitas cidades do mundo, Lisboa tem muito que se veja. A Praça do Comércio também conhecida como  Terreiro do Paço (foto acima), é um dos pontos mais destacados de Lisboa. Lá  ainda funcionam, alguns Ministérios. Durante séculos a Praça do Comércio foi a grande sala de recepção de Lisboa para quem vinha de barco, desfrutando de uma paisagem única do Rio e da cidade, situando-se aqui o Cais de desembarque de Reis e Chefes de Estado de visita ao País, sendo ainda visível a escadaria em mármore do Cais das Colunas que sai do Rio Tejo em direção à Praça do Comércio.

lisboa28
Arco Triunfal – No lado norte da praça, encontra-se o Arco Triunfal da Rua Augusta, a entrada majestosa para a Baixa, pela graciosa Rua do Ouro, uma das principais áreas de comércio pedestre da baixa de Lisboa.

 

lisboa31
A cidade tem vários pontos de comunicação por mar devido à proximidade deste. Durante todo o ano existem vários barcos, navios ou cruzeiros em andamento que param no grande porto de Lisboa.

Os sons vão do melancólico fado ao delicioso (e por vezes ininteligível) sotaque. Os aromas que vêm de confeitarias e restaurantes despertam a gula. Esparramada pelas colinas que ladeiam o lendário Rio Tejo, Lisboa tem telhados vermelhos e azulejos coloridos. Becos e ruelas guardam preciosidades de um rico passado. O nosso próprio passado.

 

lisboa26
O arco contem diversas figuras de prumo do País (Vasco da Gama, Marquês de Pombal, Nuno Álvares Pereira, entre outras) ladeadas pelas representações dos rios Tejo e Douro, com referências aos grandes valores e virtudes da Pátria, de frente para o Tejo, como que a abrir o caminho para o sentido universal do mundo.

 

lisboa25
Essa meu marido Manuel, amou! George, John , Ringo e Paul na Rua Augusta . A Rua Augusta ficou mais interessante ao receber 4 visitantes de peso. Eles podem se avistados de bem longe: os 4 Beatles, colossais, vestidos à Sgt. Pepper’s, em fila indiana.

Os Beatles – quem mais poderia ser? – foram o aperitivo externo para a exposição “É Proibido Proibir” que estava patente no Museu do Design e da Moda, em Lisboa quando estivemos visitando a cidade. Mediam 7 m e guardavam as portas do MUDE, a exposição “É Proibido Proibir”,  dedicada aos revolucionários anos 60 e 70. A rua ficou  mais vibrante ainda, juntamente com o cheiro das castanhas assadas, o frenesi dos transeuntes e as animações de rua . Aqui mostro para vocês o que foi a alegria do meu marido Manuel.  Deixou-se fotografar, ou melhor, quis ser fotografado em frente de cada um de seus ídolos.

Torre de Belém

A Torre de Belém foi construída na era das Descobertas (quando a defensa da cidade era de extrema importância) em homenagem ao santo padroeiro da cidade, São Vicente. Para melhorar a defesa de Lisboa, o rei João II desenhou um plano que consistia na formação de uma defesa constituída por três fortalezas junto do estuário do Tejo. Formava um triângulo, sendo que em cada ângulo se construiria uma fortaleza: o baluarte de Cascais no lado direito da costa, a de S. Sebastião da Caparica no lado esquerdo e a Torre de Belém na água (já mandada construir por D. Manuel I).

lisboa01
A Torre de Belém é um dos monumentos mais expressivos da cidade de Lisboa. Localiza-se na margem direita do rio Tejo, onde existiu outrora a praia de Belém. Inicialmente cercada pelas águas em todo o seu perímetro, progressivamente foi envolvida pela praia, até se incorporar hoje à terra firme.

Chegamos a Torre de Belém vindos de um elétrico. Cruzamos uma passarela sobre uma larga avenida e assim pudemos visualizar a linda e famosa torre do alto.  Próximo a ela encontramos uns músicos vestidos de índios, ávidos por moedinhas em euro, claro.

lisboa02
A Torre de Belém sofreu várias reformas ao longo dos séculos, principalmente a do século XVIII que privilegiou as ameias, o varandim do baluarte, o nicho da Virgem, voltado para o rio, e o claustrim. Classificada como Monumento Nacional por Decreto de 10 de Janeiro de 1907, é considerada como Patrimônio Mundial pela UNESCO desde 1983. Naquele mesmo ano integrou a XVII Exposição Europeia de Arte Ciência e Cultura.

Durante os séculos que se seguiram, a Torre de Belém desempenhou funções de controle aduaneiro, de telégrafo e até de farol. Foi também prisão política, viu os seus armazéns transformados em masmorras, a partir da ocupação filipina (1580) e em períodos de instabilidade política.

lisboa06
O monumento se destaca pelo nacionalismo implícito, visto que é todo rodeado por decorações do Brasão de armas de Portugal, incluindo inscrições de cruzes da Ordem de Cristo nas janelas de baluarte; tais características remetem principalmente à arquitetura típica de uma época em que o país era uma potência global (a do início da Idade Moderna).

 

lisboa05
Nos ângulos do terraço da torre e do baluarte, sobressaem guaritas cilíndricas coroadas por cúpulas de gomos, ricamente decorada em cantaria de pedra.

 

Padrão do Descobrimento

lisboa07
Lisboa abriga à margem direita do Tejo, o Padrão do Descobrimento que deve ser visitado por qualquer turista que esteja em Portugal. O monumento tem a forma de uma caravela estilizada, com o escudo de Portugal nos lados e a espada da Casa Real de Avis sobre a entrada. D. Henrique, o Navegador, ergue-se à proa, com uma caravela nas mãos. Em duas filas descendentes, de cada lado do monumento, estão as estátuas de heróis portugueses ligados aos Descobrimentos. Na face ocidental encontram-se o poeta Camões, com um exemplar de Os Lusíadas, o pintor Nuno Gonçalves com uma paleta, bem como famosos navegadores, cartógrafos e reis.

O Monumento aos Descobrimentos, popularmente conhecido como Padrão dos Descobrimentos, localiza-se na freguesia de Belém, na cidade e Distrito de Lisboa. Em posição destacada na margem direita do rio Tejo, o monumento foi erguido para homenagear os elementos envolvidos no processo dos Descobrimentos portugueses.  Visto da gigantesca Rosa-dos-Ventos, este monumento fascina pela sua majestosidade e pelos seus 50 metros de altura, sendo visitado por milhares de pessoas todos os anos. Minuciosamente esculpida em pedra, a Rosa-dos-Ventos  foi um presente da República da África do Sul e percepciona-se melhor do cimo do Padrão dos Descobrimentos, cujo acesso é feito pelo elevador situado dentro do edifício. O mapa central, com figuras de galeões e sereias desenhadas, mostra as rotas das descobertas concretizadas nos séculos XV e XVI.

lisboa08
No interior do monumento existe um elevador que vai até ao sexto andar, e uma escada que vai até ao topo de onde se descortina um belo panorama de Belém e do rio Tejo. A cave é usada para exposições temporárias. Uma das mais interessantes perspectivas do monumento pode ser observada a partir de oeste, à luz do pôr do sol.

 

 Mosteiro dos Jerônimos

lisboa10
O Mosteiro dos Jerônimos é um mosteiro manuelino, testemunho monumental da riqueza dos Descobrimentos portugueses. Situa-se em Belém, Lisboa, à entrada do Rio Tejo. Constitui o ponto mais alto da arquitetura manuelina e o mais notável conjunto monástico do século XVI em Portugal e uma das principais igrejas-salão da Europa.

O seu nome deriva do fato de ter sido entregue à Ordem de São Jerônimo, nele estabelecida até 1834. Sobreviveu ao terremoto de 1755 mas foi danificado pelas tropas invasoras francesas enviadas por Napoleão Bonaparte no início do século XIX. Inclui, entre outros, os túmulos dos reis D. Manuel I e sua mulher, D. Maria, D. João III e sua mulher D. Catarina, D. Sebastião e D. Henrique e ainda os de Vasco da Gama, de Luís Vaz de Camões, de Alexandre Herculano e de Fernando Pessoa.

lisboa14
No ano de 1496, o Rei D. Manuel, pediu à Santa Sé, autorização para a construção de um grande mosteiro à entrada de Lisboa, pedido esse concedido, tendo as obras o seu inicio em 1501 e só terminando quase um século depois, sendo que na sua construção ao longo dos tempos estiveram envolvidos vários arquitetos assim como construtores. O mosteiro foi dedicado à Virgem de Belém, já que este edifício veio substituir a igreja que invocava Santa Maria de Belém, onde os Monges da Ordem de Cristo davam assistência aos muitos marinheiros que por ali passavam. Para ocuparem este mosteiro o Rei D. Manuel, escolheu os Monges da Ordem de S. Jerônimo, tendo estes como principais funções, rezar pela alma do Rei e dar apoio espiritual aos que partiam da Praia do Restelo, à descoberta de novos mundos, sendo, aliás, a construção deste mosteiro financiada em grande parte pelos lucros do comércio das especiarias. Por ter sido construído nos bancos de areia do Rio Tejo, a estrutura do mosteiro, não sofreu muitos danos com o terremoto de 1755, mas foi danificada pelas tropas invasoras francesas enviadas por Napoleão Bonaparte no inicio do Século XIX. O que obrigou posteriormente a algumas intervenções arquitetônicas, que embora não tenham alterado a estrutura primitiva, vieram dar-lhe a forma que lhe conhecemos hoje.
lisboa16
Aqui me encontro no segundo piso do claustro. O Mosteiro dos Jerônimos é composto por: uma igreja (planta longitudinal, em cruz latina, com três naves cobertas por abóbada única, rebaixada), um claustro (dois andares abobadados), livraria, refeitório, sala do capítulo e sacristia.

Pastéis de Belém

lisboa21
Lisboa não é simples, é a Cidade das Mil Maravilhas. Tem de tudo um pouco: palácios, museus e casas de fados, cinemas, exposições, eventos e muito, muito mais. Lisboa cresce, aos olhos do mundo, cada vez mais no centro das atenções. E sua gastronomia é deliciosa. Saímos do Mosteiro de Jerônimos e fomos diretos comer os Pastéis de Belém.

Em 1837, em Belém, próximo ao Mosteiro dos Jerônimos, numa tentativa de subsistência, os clérigos do mosteiro puseram à venda numa loja precisamente uns pastéis de nata. Nessa época, a zona de Belém ficava longe da cidade de Lisboa e o seu acesso era assegurado por barcos a vapor. A presença do Mosteiro dos Jerônimos e da Torre de Belém atraíam inúmeros turistas que depressa se habituaram aos pastéis de Belém. Na sequência da revolução liberal de 1820, em 1834 o mosteiro fechou. O pasteleiro do convento decidiu vender a receita ao empresário português vindo do Brasil Domingos Rafael Alves, continuando até hoje na posse dos seus descendentes.

lisboa18
No início os pastéis foram postos à venda numa refinaria de açúcar situada próximo do Mosteiro dos Jerônimos. Em 1837 foram inauguradas as instalações num anexo, então transformado em pastelaria, a “Casa Pastéis de Belém”. Desde então, aqui se vem trabalhando ininterruptamente, confeccionando cerca de 10.000 pastéis por dia.

A receita, transmitida e exclusivamente conhecida pelos mestres pasteleiros que os fabricam artesanalmente na Oficina do Segredo, mantém-se igual até aos dias de hoje. Tanto a receita original como o nome “Pastéis de Belém” estão patenteados.

Rossio

lisboa22
O Rossio, praça pública, tem um terreno espaçoso. Anteriormente Rossio de Valverde, era no espaço onde existiu até ao Terremoto de 1755 o convento de São Francisco (séc. XII), o palácio dos Estaus (séc. XV) e o Hospital de Todos-os-Santos (séc. XVII). Hoje se transformou na Praça D. Pedro IV consequência do traço rigoroso da Lisboa pombalina e da homenagem ao Rei Liberal.

Praça do Rossio (Praça Dom Pedro IV) em Lisboa, um dos principais pontos turísticos da cidade. A Praça do Rossio ou, como também é conhecida Praça Dom Pedro IV é uma das mais lindas e antigas praças da capital portuguesa. O local está sempre cheio, seja de turistas, seja de moradores que amam passear na Praça Dom Pedro IV no fim da tarde para aproveitar o por do Sol e fazer um happy hour em um dos diversos cafés e bares ao redor e não importa a época do ano, a praça está sempre cheia de vida. Localizada na região da Baixa bem próximo ao Elevador da Justa – outro local imperdível para todos os turistas que visitam a capital de Portugal – no local, na época do Império Romano, existia um hipódromo e por ser tão antiga, é um lugar cheio de histórias e que você não pode deixar de visitar.

lisboa24
Ao longo dos anos o Rossio foi assim ganhando características que lhe justificavam o nome, ou seja de lugar amplo onde era possível realizar feiras e marcados, proporcionando ao mesmo tempo simples encontros de cidadãos.

Ao redor da Praça do Rossio estão diversos prédios importantes em Lisboa, como o imponente Teatro Nacional, vários cafés (como o Café Nicola e o Café Beira Gare) e monumentos (fontes e um pedestal bem no centro da praça com a estátua de Dom Pedro IV – o Dom Pedro I que era assim chamado somente no Brasil, pois proclamou a independência do nosso país frente Portugal. A Praça do Rossio é ideal para se visitar a qualquer hora do dia.

lisboa23
No centro da praça, ergue-se a estátua de D. Pedro IV, vigésimo-oitavo rei de Portugal e primeiro imperador do Brasil independente. Na sua base, as quatro figuras femininas são alegorias à Justiça, à Sabedoria, à Força e à Moderação, qualidades atribuídas ao Rei-Soldado.

Criou-se uma lenda urbana de que a referida estátua de D. Pedro IV na verdade teria sido, originalmente, concebida para o imperador Maximiliano do México. Como o imperador mexicano foi fuzilado em 1867, pouco antes do término da estátua, prontamente teria sido essa reaproveitada para o projeto de revitalização do Rossio, o que explicaria as – supostas – semelhanças da estátua do rei português com a figura do imperador mexicano.

 

Elevador de Santa Justa

lisboa33
O elegante Elevador de Santa Justa é um estrutura neogótica em ferro forjado e foi projetada por um discípulo de Alexandre Gustave Eiffel e inaugurada em 1902. Sai da Baixa e “escala” 45 metros de altura até chegar no Largo do Carmo, já no Chiado, de onde você vê Lisboa a seus pés e o Castelo de São Jorge do outro lado.

O Elevador de Santa Justa é um transporte público da era da arquitetura do ferro, subindo da Rua de Santa Justa, na Baixa, ao Largo do Carmo, sendo atualmente o único ascensor vertical na cidade, desde que, em 1915, desapareceu o da Biblioteca. A sua construção foi licenciada em 6 de Julho de 1899, com o projeto pioneiro a cargo do engenheiro francês R. Mesnier de Ponsard, ficando a obra a cargo da empresa Elevadores do Carmo.

lisboa34
Do topo do elevador, inaugurado em 1902, descobre-se toda a Baixa lisboeta e o Castelo de São Jorge. Situado em pleno coração pombalino da cidade de Lisboa, o Elevador de Santa Justa é um verdadeiro ex-líbris da capital portuguesa, tornando-se visita obrigatória para qualquer turista que se desloque a Portugal.

 

Largo do Carmo

lisboa36
Foi a partir da simpática praça do Largo do Carmo, no miolinho do Chiado, que uma dissidência das Forças Armadas, com o apoio da população, protagonizou a emblemática revolução de 25 de abril de 1974. Eles tomaram o quartel, derrubaram o regime autoritário e deram início à democracia. Tudo sem derramar uma gota de sangue. No dia seguinte, as espingardas dos soldados, em vez de balas, tinham cravos vermelhos na ponta do cano. Daí veio o nome: Revolução dos Cravos. Você pode escolher um dos banquinhos, debaixo de uma árvore, e tentar imaginar a cena heroica.

Castelo de São Jorge 

lisboa37
O famoso Castelo de São Jorge em Lisboa é um dos pontos turísticos mais visitados de Portugal. O Castelo é uma das construções mais antigas da cidade e ele possui uma história de mais de 8 séculos com guerras e lutas que marcaram a história de Lisboa. O castelo é bem alto e foi construído para proteger a cidade dos romanos, e logo atrás do enorme Castelo de São Jorge foi formada a cidade de Lisboa, que hoje é a capital de Portugal e uma das principais cidades turísticas da Europa. É possível ver o Castelo de Lisboa de muitas áreas da cidade por causa do seu tamanho e por estar em cima de uma colina.

O ponto mais alto da cidade de Lisboa é uma das torres do Castelo de São Jorge, que fica a mais de 100 metros de altura e antigamente era o local mais seguro de Portugal, onde ficavam guardados os tesouros da família real. Uma obra feita por Leonardo da Vinci permite uma visão incrível da cidade que é muito bonita lá de cima. A torre é alta e é uma escada enorme para chegar lá em cima, mas vale a pena.

Circulando por Lisboa

Prepare as pernas para andar bastante por uma topografia íngreme. Mas, roubando uma frase de Fernando Pessoa, tudo vale a pena se o prêmio é conhecer essa cidade que é capital do país desde 1255, sobreviveu a um terremoto devastador em 1755 e hoje é um cenário ancestral pronto para ser explorado por quem não tem preguiça de andar.É muito fácil e agradável circular por Lisboa. Estando no centro, boa parte das atrações na Baixa, Chiado, Alfama e Bairro Alto podem ser alcançados a pé. Cansa um pouco, por conta das ladeiras, mas as escadinhas, calçadões e praças fazem parte da experiência. Se cansar, faça paradas estratégicas em despretensiosos cafés. A rede de metrô (www.metrolisboa.pt) e trens (www.carris.pt) são ótimas para lhe levar a áreas um pouco mais distantes como Belém e Parque das Nações.

Veja mais fotos de Lisboa:

 

Artigos similares

One thought on “Lisboa e seus locais encantadores

  1. Uma informação interessante, no patio ou terreiro do Castelo de são Jorge, tem alguns canhões apotados para o Rio Tejo no encontro de Rio e Mar que eram usados para proteger a cidade dos possiveis invasores. esses canhões foram fabricados na Industria Brasileira mais precisamente em ITÚ. onde o Marques de Itú e Gal do exercito Brasileiro colaborava com Portugal uma vez que o Brasil ainda era colônia de Portugal. e na porta de entrada do Castelo tem uma foto de uma arvore junto aos dizeres da placa numa homenagem ao dia da arvore. tu que passas e me ves não me faças mal.
    esta foto está dedicada ao Viandante.

Deixe uma resposta

Topo