Você está aqui
Home > EUROPA > Europa > Portugal > Sintra destaca o Palácio da Pena

Sintra destaca o Palácio da Pena

Entre os vários passeios  nos arredores de Lisboa, um dos mais agradáveis é conhecer a histórica Vila de Sintra, uma cidade que para muitos é como um conto de fadas, repleta de parques, jardins, castelos e palácios, cuja paisagem natural é considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO. Famoso pela inconfundível silhueta das suas enormes chaminés, converteu-se num dos símbolos mais conhecidos da vila de Sintra. A sua estrutura primitiva provém da ocupação árabe. Devido à sua localização, agradável e próxima de Lisboa, o Palácio foi, desde a Idade Média, uma das residências favoritas dos monarcas portugueses. Por este motivo esteve intimamente ligado a muitos feitos relevantes da História de Portugal.

sintra01
Palácio Nacional da Pena, uma das melhores expressões do Romantismo arquitetônico do século XIX no mundo, construído cerca de 30 anos antes do carismático Castelo de Neuschwanstein, na Baviera.

 

sintra34
A visitação ao Palácio da Pena acontece todos os dias, das 10h às 18h, com entrada permitida até as 17h. O ingresso que permite visitar o castelo e o parque ao ser redor custa 11,50 euros para adultos (18 a 64 anos), 9 euros para jovens (6 a 17 anos) e 9 euros também para idosos (acima de 65 anos).É possível obter desconto na compra do ingresso ao combiná-lo com a entrada de outras atrações da região de Sintra, como, por exemplo, o Palácio Nacional de Queluz ou o Castelo dos Mouros. A compra pode ser feita tanto na bilheteria dos palácios quanto de forma antecipada on-line pelo site Parques de Sintra.

 

Os terraços do castelo oferecem uma vista panorâmica incrível da região de Sintra. Lá do alto é possível até ver o mar, a alguns quilômetros de distância. A visita segue um caminho pré-determinado que passa por diversos terraços do palácio e também boa parte dos seus ambientes internos, incluindo pátios, salões, quartos e até uma grande cozinha. Os cômodos no interior do palácio preservam muitos do aspecto original, com móveis e objetos de decoração, para mostrar como era o estilo de vida da corte portuguesa antigamente. Em 7 de Julho de 2007 foi eleito como uma das Sete maravilhas de Portugal.

sintra88
Em 1839, o então rei D. Fernando II comprou as ruínas de um antigo mosteiro e decidiu transformá-lo num palácio. A construção existente hoje em dia é fruto de diversas adaptações e ampliações que o edifício foi sofrendo com o passar do tempo, sofrendo influência de diferentes estilos arquitetônicos, como o neo-gótico, neo-manuelino, neo-islâmico e o neo-renascentista.

Se um local que me impressionou em Portugal, foi esse aqui, o Palácio da Pena. Todos os cômodos estão decorados, mas à época de nossa visita era  proibido tirarmos fotos (mas comprei um DVD). O Palácio da Pena. ou «Castelo da Pena» como na gíria popular é mais conhecido, constitui o mais completo e notável exemplar da arquitetura portuguesa do Romantismo. Está situado num dos cumes fragosos da Serra de Sintra e integra-se de modo inesperadamente feliz no seu tecido natural de verdura e penedia, atestando as potencialidades estéticas do projeto. O Palácio remonta a 1839, quando o rei consorte D. Fernando II de Saxe Coburgo-Gotha (1816-1885) adquiriu as ruínas do Mosteiro Jerónimo de Nossa Senhora da Pena e iniciou a sua adaptação a palacete, segundo a sua apurada sensibilidade de romântico.

sintra01c
Dizem que o Palácio da Pena serviu de inspiração para o Castelo de Neuschwanstein, na Alemanha, que por sua vez foi referência para a criação do famoso castelo da Disney.

Fantasiosa em extremo, a fábrica arquitetônica da Pena colhe nos «motivos» mouriscos, góticos e manuelinos da arte portuguesa muito da sua inspiração, bem como no espírito Wagneriano dos Castelos Schinkel do Centro da Europa. Nota-se que, do anterior convento do século XVI foram preservados o claustro manuelino e na capela um célebre retábulo renascentista do escultor Nicolau Chanterene. Quase todo o Palácio assenta em enormes rochedos, e a mistura de estilos que ostenta (neogótico, neomanuelino, neo-islâmico, neo-renascentista, com outras sugestões artísticas como a indiana) é verdadeiramente intencional, na medida em que a mentalidade romântica do século XIX dedicava um fascínio invulgar ao exotismo.

sintra41
De muitas cores: Numa das fotos do álbum onde se encontra o meu marido Manuel, podemos observar o pórtico do Tritão programado por D. Fernando, que o desenhou como um «Pórtico alegórico da criação do mundo» e parece condensar em termos simbólicos a teoria dos «quatro elementos».

Para veraneio

O grande empreendimento artístico deste século em Sintra é sem dúvida o Palácio da Pena, obra marcante do romantismo português, iniciativa do rei-consorte D. Fernando II, marido da rainha D. Maria II (1834-1853), um alemão da casa de Saxe-Cobourg-Gotha. O Palácio, construído sobre o que restava do velho mosteiro Jerônimo do século XVI — mas conservando-lhe partes fundamentais (a igreja, o claustro, algumas dependências) — é de uma arquitetura eclética única que não teve continuidade na arte portuguesa. Projeto do barão de Eschwege e do próprio D. Fernando II, substitui-se ao Palácio da Vila enquanto estância de veraneio da Corte, alternando, no final do século, com outro núcleo regional do veraneio régio: Cascais. Depois de Sintra, nos meses de Setembro e Outubro é em Cascais que a corte de D. Luís I (1861-1889) e de D. Carlos I (1889-1908) termina o veraneio.

sintra66
Bondinho: Depois de termos percorridos todos os degraus do Castelo dos Mouros, optamos pegar o bonde (adaptado) até o Castelo da Pena. Aliás o único jeito de se chegar até ele, a não ser caminhando. São proibidos os carros até o alto da Pena.

Vila de Sintra

A Vila de Sintra está localizada a apenas 28 km da região central de Lisboa, um trajeto que pode ser feito de carro em cerca de meia hora seguindo pela autoestrada A37, um caminho bem sinalizado e fácil de ser percorrido. A maneira mais comum e econômica de visitar a cidade é pegando um trem, lá chamado de “comboio”, da linha de Sintra. Ele parte de duas estações em Lisboa: a Estação do Oriente, próxima ao Parque das Nações, e a Estação do Rossio, que fica na região central da cidade e está localizada entre a Praça dos Restauradores e a Praça do Rossio. A parada final desta linha é a Estação Sintra, que fica a menos de 1 km do vilarejo histórico. A viagem de trem mais caminhada até a vila leva em torno de 40 a 50 minutos. A passagem utilizando o cartão de transporte “Viva Viagem” custa apenas 2,15 euros.

sintra01d
Região turística por excelência, Sintra é um dos locais mais aprazíveis e privilegiados existentes em Portugal. Da vasta Serra verdejante e rochosa, numa situação admirável de pitoresco e amplos panoramas, até ao literal de imponente beleza marinha, Sintra é como dizem muitos, “um jardim do paraíso”.

Conhecer o Parques de Sintra é encantar-se!É simplesmente incrível imaginar-se vivendo num lugar daquele, assim como, imaginar como foi possível construir palácios tão suntuosos a tamanha altitude em meio a uma magnífica floresta que também parece ser encantada, com tanta diversidade da fauna e flora onde os cheiros se confundem ao se caminhar por entre as árvores, onde de olhos fechados podemos sonhar com príncipes e princesas.

sintra04
Este lindo edifício que mais parece um castelo é a Câmara Municipal da Vila de Sintra.

 

sintra44
Aqui comemos as deliciosas queijadinhas da Sapa (acho que não é a mulher do sapo…rsrsrs) .

Saiba que as origens de Sintra se remontam em tempos pré-históricos, na zona se encontraram importantes restos pertencentes ao Neolítico Final. Do século II a.C. no século VI o território esteve ocupado pelos romanos. Já no ano de 30 a.C. Sintra gozava do estatuto do Município Romano. Também se estabeleceram aqui os Suevos e os Godos. Durante a época da dominação árabe a população vive uma época de esplendor graças a sua influência como um dos principais centros abastecedores e de apoio defensivo de Lisboa. No ano de 1147 D. Afonso Enriques conquista a população e no ano de 1154 lhe concede a Carta Foral.  Durante a Idade Média, sobre os restos do Palácio árabe construiu-se um Palácio Real que serviu como residência de descanso e veraneio da monarquia. A partir deste momento Sintra adquire uma nova dinâmica, por isso no ano de 1514 se lhe concede o novo Foral.

sintra90
A vila de Sintra, nomeada Patrimônio Mundial pela UNESCO devido à grande quantidade de monumentos de interesse histórico-artístico, apresenta-se perante nós com um passado cheio de história. Perfeitamente integrados à natureza dessa nomeação, as infraestruturas turísticas guardam um grande respeito pelo ecossistema. Desde a cidade se estende a Serra de Sintra que chega até ao Cabo da Roca, extremo ocidental de Portugal. … Sintra foi conquistada pelos Mouros em 1147, recebendo carta de foral em 1154. Durante séculos, a família real portuguesa utilizou-a como residência de verão. A Paisagem Cultural de Sintra é, desde 1995, Patrimônio da Humanidade. Sintra é um destino de sol, de praia, de natureza… mas é também um destino cultural, um destino onde poderá desfrutar de numerosos monumentos como por exemplo o castelo dos Mouros, o palácio da Pena, o palácio nacional de Sintra entre muitos outros monumentos que poderá visitar.

 

Castelo do Mouros

sintra17
O Castelo dos Mouros foi conquistado por D. Afonso Henriques (1147), monarca a quem se deve a construção da Capela românica de S Pedro, cujos interessantes vestígios ainda são visíveis, junto ao «oppidum» onde há também uma cisterna, uma porta árabe «em ferra- dura» e diversas estruturas de habitação. Esta Capela preserva dois curiosos portais românicos e, na capela-mor, restos da pintura a «fresco» de sentido decorativo, bem como diversos túmulos da antiga necrópole medieval. Ele fica situado a cerca de 3,5 Km do centro histórico, na Estrada da Pena.

Construído pelos mouros no século VIII ou IX D.C., este Castelo está implantado em dois cumes da Serra, de onde se desfruta generoso panorama. Circundado de muralhas e diversas torres, sofreu diversas reparações em especial no período romântico (cerca de 1860), quando o rei consorte D. Fernando II de Saxe Coburgo-Gotha, o restaurou, arborizou os espaços envolventes e conferiu às velhas ruínas medievais uma outra dignidade.

sintra01b
O Castelo dos Mouros é uma provável construção muçulmana do século 8, que foi tomada pelos cristãos em 1147 e que foi parcialmente restaurada no século 19. Apesar da aparente invulnerabilidade do Castelo, segundo registros, nunca ouve uma batalha travada ali.
sintra14
As muralhas do Castelo dos Mouros são constituídas por uma cintura dupla, exterior e interior. A Leste ainda são visíveis troços da muralha exterior, onde se localiza a porta em rodízio de acesso ao recinto. O topo da muralha interna, ameada, é percorrido por adarve, sendo reforçada por diversas torres

 

sintra01e

O silêncio, cortado apenas pelo vento quando passa pelas aberturas das paredes; a linda vista de Sintra e arredores a partir de suas muralhas; a pequena igreja construída quando D. Afonso Henriques já era soberano, assim como o “túmulo” que guarda ossadas exumadas durante as obras: tudo é fantástico.

sintra56
Como a empresa Parques de Sintra-Monte da Lua comanda quase todos os atrativos da cidade, é possível combinar os ingressos, pagando um valor menor. Assim, a entrada no Palácio da Pena, por exemplo, custaria, sozinha, €11,50; enquanto a do Castelo dos Mouros sairia por € 6,50. As duas, porém, custam € 14,50 quando compradas juntas. Qualquer uma das bilheterias dos pontos turísticos da empresa vendem as combinações (simule aqui).

O Castelo de Sintra, popularmente conhecido como Castelo dos Mouros, localiza-se na vila de Sintra, freguesia de São Pedro de Penaferrim, concelho de Sintra, no distrito de Lisboa, em Portugal. Erguido sobre um maciço rochoso, isolado num dos cumes da serra de Sintra, na Estremadura, do alto das suas muralhas descortina-se uma vista privilegiada de toda a sua envolvência rural que se estende até ao oceano Atlântico. A muralha apresenta cinco torres: quatro de planta retangular e uma de planta circular encimadas por merlões piramidais, já sem vestígio dos dois pisos e do sistema de cobertura primitivos. A torre na cota mais elevada do terreno, conhecida também por Torre Real, é acedida através de uma escadaria de 500 degraus. No período islâmico constituiu-se na alcáçova. No período cristão consta que lá terá vivido Bernardim Ribeiro, escritor português do século XVI

 

sintra64
As muralhas mouras brindam uma linda vista dos demais castelos que existem nas proximidades.

No Castelo dos Mouros há algo de mágico no ar. Na verdade, não se trata mais de um castelo, restam apenas destroços e as muralhas com suas bandeiras com os símbolos antigos que colorem e tremulam ao vento numa dança sem fim. Este local era na verdade um ponto de vigília e defesa de Lisboa. Ficar sentado nas muralhas tendo aos pés o verde intenso e profundo da floresta de Sintra, e ao fundo, na linha do horizonte, o azul escuro do mar, é deslumbrante e dá uma paz inexplicável que invade todo seu ser.

sintra71

Mais do que em qualquer outro ponto de Lisboa, a máxima para Sintra é a mesma de parques temáticos de Orlando: vá com sapatos MUITO confortáveis. Você vai andar bastante e precisará aguentar firme. Sabe a história da sua mãe de “leve uma blusinha que vai esfriar”? Em Sintra todas as mães do universo podem abrir um sorriso infinito porque estarão certas. É uma serra, afinal. Ao entardecer, a temperatura começa a cair.

Veja mais fotos de Sintra:

Artigos similares

One thought on “Sintra destaca o Palácio da Pena

  1. A Cidade de Sintra além de ser a capital da queijadinha e do pão com linguiça, é também a capital dos bastardos. todo nobre que tinha um filho com alguma de suas amantes, construia um Palacete em Sintra e assentava a familia da amante em Sintra, por esse motivo também se tornou a capital dos Palacetes também como se fosse uma sátira aos nobres que não tinham compostura. o amor é lindo, mas em Portugal era meio que proibido e censurado pela sociedade da época. mas nobre é nobre e não se fala mais nisso.

Deixe uma resposta

Topo