Você está aqui
Home > EUROPA > Europa > Espanha > Valência, moderna, contemporânea e sedutora

Valência, moderna, contemporânea e sedutora

Valência é, à primeira vista, uma cidade bem espanhola com os seus presuntos pendurados, gosto pela tourada (não é à toa que Ernest Hemingway foi para ali viver em 1925, atraído pelo espírito da sua festa brava) e pela forma como mulheres de todas as idades, e também alguns homens, insistem em afugentar o calor com vistosos leques. A metrópole valenciana tem indiscutível peso nacional. Afinal, é a terceira maior cidade espanhola, bem como a maior praia urbana da Europa – com sete quilômetros de enseada mediterrânea. Graças à população repleta de jovens, vindos de todas as partes do mundo para estudar ou trabalhar, o clima de festa paira no ar. Não falta gente bonita, alegre e receptiva. Famosa ainda por ser a terra da paella, Valência revitalizou áreas antes degradadas e investiu forte em construções futuristas, sem perder o encanto das típicas ruelas e praças românticas.

valencia_06

Valencia é uma cidade com muitas partes para descobrir. Ela mantém o centro histórico tradicional, com monumentos, catedrais e museus de séculos passados e ao mesmo tempo tem a parte moderna, a Cidade das Artes e Ciências, o que faz a cidade ser muito interessante por saber preservar ambos os lados.

valencia_11

A cidade valenciana agrega arte, cultura e história. Uma mostra disso é o seu charmoso centro antigo, uma área rica em patrimônio gótico arquitetônico. Em meio a praças e ruelas, há construções majestosas e seculares. Na Plaza (praça) de la Reina, por exemplo, ficam a Catedral, datada do século 13, e a Miguelete (foto), torre inacabada de 47 metros de altura. A paisagem de Valência também é marcada pelos imponentes palácios, como o Marques Dos Aguas, na Praça Pinazo. Já na tradicional Praça del Ayuntamiento eis o imponente conjunto de prédios que forma a Prefeitura.

valencia_48

Entre os acervos de maior relevância, estão o Instituto Valenciano de Arte Moderna, o Museu de Belas Artes San Pio e a Casa Blasco Ibáñez, nome do escritor mais famoso da cidade.Nada, porém, é comparável à Cidade das Artes e das Ciências, obra do famoso arquiteto Santiago Calatrava. O ultramoderno complexo é o mais novo polo cultural da cidade. Abriga um planetário, museu interativo de ciências, casa de ópera, aquário, cinema 3D e Jardim Botânico.

valencia_09

Catedral

A Catedral de Valência tem mais de mil anos de história, e a sua arquitetura mudou bastante ao longo do tempo. No lugar onde ela hoje se encontra havia antes uma mesquita, construída na época da invasão árabe. Diz-se que, após a retomada da cidade, o chão foi benzido e o lugar batizado como um templo cristão.

Há diversas capelas, cada uma dedicada a um santo diferente, além de variados estilos arquitetônicos, que vão do gótico ao neoclássico. O interior é belíssimo, de um esplendor difícil de encontrar. Lá dentro, há trabalhos de arte importantes, como duas pinturas do renomado pintor espanhol Goya, bem como pinturas de autoria de discípulos de Leonardo da Vinci.

valencia_83
O centro histórico é muito especial, os edifícios vão desde o mais robusto estilo românico ao mais flamejante barroco, um cocktail arquitetônico de que a Catedral e a Basílica da N. Sra. dos Desamparados são um bom exemplo.

Valencia foi fundada pelos romanos em 138 aC, durante o século 8, foi capturado pelos mouros (quando era conhecido como Balansiya), foi reconquistada para os cristãos pelo heroico líder El Cid (Rodrigo Diaz de Vivar), em 1094, que governou a cidade até sua morte, depois de outra breve passagem sob o jugo  dos árabes, Valencia finalmente retornou ao controle cristão em 1238 e tornou-se parte do reino de Aragão.

valencia_07

Com seu idioma próprio, o valenciano, essa é a terra da paella valenciana, da Lonja de La Seda, Patrimônio da Humanidade, e de alguns dos mais espetaculares edifícios criados pelo arquiteto Santiago Calatrava – um deles o Ciutad de les Artes i les Ciències, marco da parte moderna de Valência. A longa simbiose da região com o mar foi comemorada quando a cidade foi sede da venerada competição de vela America’s Cup. Dando continuidade a sua aptidão

valencia_51
Puente de la Exposición: Barcelona e Bilbau deram o mote e Valência, a terceira maior cidade espanhola e expressão máxima de um Levante próspero e aberto ao Mediterrâneo, aprendeu a lição. Contratou arquitetos de renome, criou eventos como uma bienal e usou da sua influência para figurar como cenário no filme de Almodóvar. Tudo para passar de símbolo do modernismo a ícone da modernidade.

Valência fica a três horas de trem de cidades como Madri e Barcelona. Possui um sistema rodoviário funcional e seu aeroporto (que fica a 8 quilômetros do Centro) tem voos domésticos e alguns internacionais.

valencia_04

O atual esplendor da herança modernista de Valencia se deve à inauguração, em 1998, do complexo que a colocou na rota das cidades avant-garden e que, ao atrair as atenções da imprensa especializada de todo o mundo, lhe deu maior responsabilidade na área do turismo e da preservação do seu patrimônio. Projetada por Santiago Calatrava, muito bem secundado por Felix Candela, a Cidade das Artes e das Ciências, como o próprio nome indica, destina-se à promoção do conhecimento das ciências, da natureza e das artes, o que, assim à primeira vista, convenhamos, não parece ser um propósito capaz de atrair multidões. Mas aí é que está o grande trunfo deste complexo, instalado numa área de 350 mil m2 na antiga foz do rio Turia, entre o centro da cidade e o porto, que vale não tanto pelo interesse do seu conteúdo científico (sobretudo no que diz respeito ao Museo de las Ciencias), mas mais pelo seu lado lúdico – o ecrã gigante de 900 m2 do Hemisfèric, as plantas aromáticas do Umbracle, um jardim de 17 500 m2 coberto por uma fabulosa arcada, ou os inúmeros aquários e lagos ligados por incríveis corredores de vidro no Oceanogràfic. Sem esquecer, é claro, a forma como aquela arquitetura, em que sobressai o betão, o vidro, o aço e a cerâmica branca e azul de Valência (aplicada aos fragmentos, trencadís, numa técnica semelhante à usada por Gaudi), se reflete em enormes espelhos de água e recria, graças ao movimento das suas linhas, a forma de um olho (Hemisfèric), de um esqueleto (Museo de las Ciencias) ou de uma espinha de peixe (a marca registada do Palau de les Arts, destinado a congressos e a espetáculos como ópera e bailado.

valencia_08
O IVAM deve ser visitado por todos os turistas. Trata-se de um museu consagrado às artes modernas cujo edifício é já um tributo em si mesmo. Para mais, as exposições, fixas e itinerantes, são interessantes e há ali um café e um restaurante muito agradáveis. Também vale uma visita ao ultramoderno Palau de Congresos, desenhado por Norman Foster. Existe já um simpático café no rés-do-chão, mas o espaço vale, sobretudo, pela sua arquitetura.

No início do século XX Valência era uma cidade industrializada. A seda desaparecera, mas havia produção de peles e couro, madeira, metalurgia e produtos alimentares, estes últimos com vertente exportadora, em particular de vinhos e citrinos. Predominava a pequena empresa, mas cada vez mais se inseria a mecanização e as grandes empresas. A melhor expressão desta dinâmica eram as exposições regionais, em particular a de 1909, feita junto à Albereda (Alameda), onde se mostravam os avanços da agricultura e da indústria. Entre os edifícios mais importantes da época destacam-se os de estilo modernista, como por exemplo a Estació del Nord (Estação do Norte) e os mercados Central e de Colombo.

Sem dúvida, a grande atração é a Cidade das Artes e Ciências (foto), construída na parte nova de Valência, em uma área de 350 mil metros quadrados, o equivalente a dois estádios do Maracanã. Sua obra custou mais de R$ 1,5 bilhão. O megacomplexo de arquitetura futurista rende programa por vários dias. Pois reúne um grande jardim público, planetário com cinema 3D, museu interativo de ciências, o maior aquário da Europa e uma Casa de Ópera.

Sem dúvida, a grande atração é a Cidade das Artes e Ciências (foto), construída na parte nova de Valência, em uma área de 350 mil metros quadrados, o equivalente a dois estádios do Maracanã. Sua obra custou mais de R$ 1,5 bilhão. O megacomplexo de arquitetura futurista rende programa por vários dias. Pois reúne um grande jardim público, planetário com cinema 3D, museu interativo de ciências, o maior aquário da Europa e uma Casa de Ópera.

Meio caminho entre Madrid e Barcelona, situada em plena costa mediterrânica da comunidade autônoma de que é capital, Valência sempre foi demasiado próspera e fértil para ser ignorada pelo resto da Espanha. Ela, que teve dois papas em Roma no século XV (Calisto III e Alexandre VI, pai de Lucrécia Bórgia) e chegou a ser capital da Segunda República após a Guerra Civil, não se calou a Franco e sempre se notabilizou pelo seu espírito rebelde e independentista. O que, convém acrescentar, já lhe vem desde os tempos das escaramuças entre cristãos e mouros, altura em que sobressaíram heróis épicos como o conquistador El Cid.

valencia_54

Noites Valencianas  – A cidade tem muitos bares para fazer happy hour, comer tapas e curtir música ao vivo. O Barcas é bem tradicional e fica no meio do centro comercial. O bairro do Carmen, na área histórica, é o principal point de bares, pubs e boates lotadas. As baladas na beira-mar são outra boa opção. O bar-danceteria Akuarela, perto da praia Malvarrosa, fica apinhado no verão. O espírito jovem e festeiro da cidade se traduz bem nas Fallas , espécie de carnaval valenciano, sempre em março. A folia, a mais popular da cidade, é famosa por sua espetacular queima de fogos (chamada de mascleta) e pelos bonecões gigantes de personalidades mundiais.

valencia_61Atrás de nós na foto está a bonita Puerta del Mar. Saiba que  em 138 a.C. Valencia foi fundada, sob o nome de Valentia Edetanorum, pelos romanos, à época em que era cônsul Décimo Júnio Bruto Galaico. É, por isso, uma das mais antigas cidades da Espanha atual. Em meados do século I ocorria na cidade um considerável crescimento urbano, motivado pela existência de um porto, e já começava a formar-se uma primitiva comunidade cristã no início do século IV. No século V surgiram as primeiras ondas invasivas dos povos germânicos (especialmente dos visigodos), e os edifícios romanos adaptam-se progressivamente a uma cidade cristã.

valencia_05Puent del Mar:  Muito linda essa ponte. Saiba que Valencia tem  também um importante porto, o maior na costa do Mediterrâneo ocidental, balsas funcionam dali para Maiorca, Menorca e Ibiza.

O rico patrimônio histórico de Valência reflete-se na abundância de monumentos, que relembram o percurso eclético da cidade. As ruínas romanas são testemunho da ocupação deste império e das próprias origens do nome da cidade (Valentia). O riquíssimo legado muçulmano é visível por toda a cidade e o lendário herói espanhol, El Cid, deixou uma marca indelével na região. O local onde outrora se realizava a troca da Seda, classificado como Patrimônio Mundial pela UNESCO, reflete a prosperidade da Idade do Ouro valenciana, e a catedral da cidade será o local onde se encontra o Santo Graal.

Veja mais fotos de Valência:

Artigos similares

Deixe uma resposta

Topo